quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

Desesperança

Por maus bocados
eu já passei
Mas esse, hoje,
vai me matar

Hoje não vivo
com um pra sempre.
Hoje eu me mato
de procurar.

Talvez o longe
me espere, então.
Com uma coberta
e um violão.

Eu vou ninar
suas crianças.
Mas eu só canto
desesperanças.


Nenhum comentário: