terça-feira, 19 de abril de 2011

Dez paredes por minuto

"Dez paredes por minuto" era o slogan de José, o pedreiro mais cotado do mercado. Outros pedreiros se gabavam de fazer o melhor cimento ou de escolher os melhores tijolos segundo a lógica do feng shui, mas ninguém levantava paredes com a habilidade, maestria e segurança de José. Tentavam, sem sucesso, desbancar sua capacidade colocando para José desafios de levantar paredes com os mais diversos tipos de tijolo - inclusive os redondos! E a fama de José continuava intransponível e impermeável como suas paredes. Quando bêbado, José era até capaz de levantar as paredes sem o tijolo estar pronto.

O interesse por tijolos apareceu quando ainda era um feto. A mãe, gestante dele, preferia comer terra do que outros organismos. Desde aí, o pequeno feto-José foi se apaixonando pela arte de construir paredes, como aquela que construiu dentro da barriga da mamãe. O pai de José, homem de escolhas literárias, ficou decepcionado com a vocação do filho pela arte de levantar muros. Ainda tentou convencer o pequeno Joselito a se interessar em construir muros poéticos ou até mesmo criar lajes com o concreto de palavras desconexas, mas José era um concretista prático.

José ria do concreto poético e criava retas imaginando o momento em que elas se encontrariam no infinito.

2 comentários:

William disse...

Meu filho não irá se chamar José.

Me divirto e me encanto com seus escritos Bru...

William..

tha_alonso disse...

ai menino que lindas palavras! adorei... ontem paulo goya falou mto bem de vc pra mim... preciso te assistir né? saudade!
bjos