terça-feira, 24 de agosto de 2010

Velharias

(30/05)
Você parece estar sempre por perto. Nem parece que tudo acabou. Em todas as frestas da minha vida existe um rastro da sua existência, da sua memória. Me pego pensando sobre o tempo. Para onde vão as coisas que experimentamos viver? Em lugar físico fica guardado o tempo? Queria eu poder pegar todos aqueles momentos e colocá-los dentro de uma caixa para rememorá-los, como a um álbum de fotos, mas ali, de verdade, de carne e osso – mesmo que em carne e osso de ilusão.


(15/06)
Hoje o dia termina mais cedo.
Talvez enrolando um cigarro de alma
E queimando as frustrações que ficam,
Talvez assim,
Eu termine mais cedo também.

2 comentários:

chico buarque disse...

é bom saber que alguem ficará no meu lugar quando eu morrer!

Bruno Lourenço disse...

Fica tranks, Xixi!