terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

Rolê de Corno - parte 1

Muitas vezes, quando estou bravo por estar em determinado lugar, digo estar dentro de um ‘rolê de corno’. O que é isso?

Rolê de corno seria - nada mais - do que uma situação constrangedora, ruim e que poderia ter sido evitada com um pouco de cautela, conversa e compreensão.

Todas as vezes em que empreguei tal termo, não havia pensado no enorme preconceito que tal expressão carregava entranhada em cada uma de suas sílabas. Seria uma expressão equivalente a: “Rolê de papagaio” ou “Rolê de português”. Esses rolês de personagens de piadas ruins são tão ruins quanto as piadas desses personagens.
Jurei para minha pessoa que não voltaria a usar determinada expressão.

MAS

Acontece que – por motivos que prefiro não revelar, para não alongar a história – fui para Guarulhos numa noite de domingo. Chegando lá por volta das 2 horas da manhã, fomos à casa da tia de uma amiga nossa aonde jogamos truco, dominó e assistimos o desfile das escolas de samba do Rio. Eu, como todo bom trabalhador, estava muito cansado. Ficava pedindo a todo momento para irmos embora, mas o meu maléfico primo queria continuar lá para resolver pendências que sempre ficam pendentes. Em determinado momento, um café apareceu à mesa, e como todo bom paulistano eu adoro café. Tomei por volta de 1 litro, o que foi capaz de me deixar acordado e pronto para “bagunçar”. Ficamos lá até, por volta, das 5h da manhã.

Ao expressar minha singela vontade de bagunçar (que estava sendo relacionada ao fato de estar entorpecido pelo efeito daquele ópio cafeinado), meu primo sugeriu que fôssemos para o encontro com nosso grupo de teatro a pé. Nosso amigo Amarante topou na hora (mesmo sem saber do que se tratava) e eu, na brincadeira, disse que sim também.

Lá fomos nós passar nas casas para colocarmos roupas confortáveis, fazermos marmitas, enchermos garrafas d’água e etc. Partimos às 6h da manhã, sem dormir.
Colocamos o pé na Rodovia Presidente Dutra e partimos em direção à estação Saúde do metrô de São Paulo.

Nenhum comentário: