domingo, 6 de dezembro de 2009

Tentativa de poema ao poeta que eu não encontrei

Eu penso nas crianças
E vejo que estou só

Eu fico tão feliz
Quando desnudo as lembranças
Que me voam como pó

E aqui eu inerte sem poder
Sequer pensar
Penso que tudo é pouco

Que a faca que me corta
É o pão da da minha boca
E que a minha solidão
Não se faz tão muda e oca

Penso em você
Sempre com seu conhaque
Seu whiskey

Te penso resfriado
Você me diz o nome da
bebida.
"Uisc!"
E eu te digo

"Saúde"

Escreve antes deu nascer
Tudo aquilo que eu senti
To aprendendo as escrever
To aprendendo a sorrir
To aprendendo a sofrer
Mas você já sofreu por mim

Nenhum comentário: