sexta-feira, 13 de novembro de 2009

A minha amante escancarada

Meus dedos inexperientes tentam encontrar os acordes certos de uma melodia que não existe, mas eu imagino. Minha boca não sabe cantá-la e meus dedos, que estão menos treinados, só penam e machucam. Eu saio pensativo e tristonho por machucar as mãos e por mais uma frustração.
Mas daí ela olha pra mim do outro lado do sofá com seu corpo violão. E sempre com aquele sorriso de traste ela me diz toda dengosa:

- "Deixe de manha, meu nego! Vem me dedilhar todinha!"

E eu passo a noite toda sorrindo com ela nos braços.


2 comentários:

Núcleo de Direção disse...

Sabe aquela vontade de falar: NOSSA!!!!

Pois é...

Tesão!!!!

Anônimo disse...

=D